GDF Presente remove entulho e nivela terreno próximo ao Aeroporto

0
104

Abandonado, lote de 48 mil m² na Q1 do Lago Sul deve receber plantio de grama e árvores após esforço do governo e administração local

Máquinas do GDF Presente trabalham para transformar estado de abandono do terreno em área verde. Foto: Paulo H. Carvalho/Agência Brasília

O abandono transformou um terreno de 48 mil m² na Q1 do Lago Sul em ponto de entulho e lixo. A área, próxima ao balão de acesso ao Aeroporto de Brasília – por onde mais de 47 mil pessoas chegam e partem da capital diariamente –, chamava a atenção pela paisagem conflitante. Há duas semanas, porém, o espaço tem se transformado com a presença de máquinas e trabalhadores do GDF Presente, programa de atuação do governo nas regiões administrativas. Com a remoção de objetos e o nivelamento da terra no local, a Administração do Lago Sul espera dar uma correta destinação ao lote.

Tomado por 30 profissionais, caminhões, motoniveladoras, tratores e retroescavadeiras, o terreno ficará limpo e apto a receber o plantio de grama e árvores, como pretende a administração regional. “Temos alguns pré-projetos, sempre com o objetivo da utilização daqui como área verde”, explica o administrador do Lago Sul, Rubens Santoro Neto, em visita ao terreno.

Para ser possível transformar o lote em viveiro, antes é necessária a preparação do terreno. Por meio do GDF Presente, a administração deu esse pontapé. “Ninguém teve coragem de entrar aqui antes, mas temos que trabalhar. O intuito é esse: movimentar as máquinas, fazer o que for possível em benefício da comunidade”, acrescenta Santoro Neto.

Outro benefício gerado pelo nivelamento é evitar que a água da chuva escoe para as QL’s e áreas próximas. Para o cineasta Bernardo de Lima Borges Bernardes, dar vida útil ao local é uma boa ação do governo. “Se for para trazer natureza, plantar grama e árvores, será bom. É sempre bom”, admite.

GDF Presente
A região do Lago Sul faz parte do polo Central Adjacente 1 do GDF Presente, junto do Varjão e do Lago Norte. O programa nasceu para ser uma estrutura perene do SOS DF, realizado no primeiro semestre da atual gestão, com números positivos e, principalmente, o reconhecimento da população pelos reparos feitos em cada região administrativa.

Agora, o foco é conectar dirigentes e comunidade com menos burocracia em busca do serviço público de excelência. O SOS DF resolveu, por exemplo, problemas de entulho, buracos nas vias, lixo, equipamentos quebrados e outras situações de abandono. Foram mais de 60 mil ações.

A fim de organizar e agilizar o atendimento à população, o GDF Presente foi dividido em oito polos urbanos e um rural, de acordo com a disposição geográfica. As atividades também conectam o cidadão às administrações regionais, empoderadas pelo programa com a capacidade de resolver problemas e atender sugestões.

Fonte: IAN FERRAZ, DA AGÊNCIA BRASÍLIA .