Morreu ontem (12), vítima de covid-19, o jornalista Aloy Jupiara. Ele tinha 56 anos e estava internado desde 29 de março.

O jornalista estava no CTI do Hospital São Francisco, na Tijuca, zona norte do Rio de Janeiro. Chegou a ter uma melhora, mas não resistiu a uma infecção pulmonar.

Formado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), ele iniciou a carreira nos anos 1980 no jornal O Globo ainda como como estagiário e, durante sua trajetória, exerceu diversas funções nas editorias Rio, Política e Nacional.

No início dos anos 2000, se transferiu para a Globo.com e, em seguida, para o site do Globo Online, onde foi editor de conteúdo e editor executivo.

Em 2009, foi convidado para liderar a equipe de criação do site do jornal Extra, também do Grupo Globo.

Assista na TV Brasil

https://www.youtube.com/watch?v=/E15zx1qFRCo

Em parceria com o jornalista Chico Otávio, Aloy escreveu os livros Os Porões da Contravenção, em 2015, sobre a ligação do jogo do bicho com o poder durante a ditadura militar; e Deus Tenha Misericórdia dessa Nação, uma biografia não autorizada do ex-deputado Eduardo Cunha, em 2019.

Recentemente, participou do documentário Doutor Castor, sobre o bicheiro Castor de Andrade.

Além do jornalismo, Aloy era um apaixonado pelo carnaval carioca. Foi um dos jurados e coordenador do Estandarte de Ouro, criado em 1972 para premiar os melhores do carnaval carioca.

Atualmente, era diretor de redação do jornal O Dia.

Fonte: Agência Brasil